segunda-feira, 28 de novembro de 2016



Minha pequena história com Anthonio Magalhães  
e o Trabalho de Reversão Humana: 

A Liberdade só pode existir largando tudo isso.  




Desde o dia em que o conheci pessoalmente, em setembro de 2016, muitas fichas caíram para mim. Foi libertador, maravilhoso. Uma semana difícil, porém o que arde cura. Agradeço a grande oportunidade de eliminar dentro de mim mais esta muleta. Compartilho aqui, por amor à Verdade e ao Serviço. Não me cabe julgar, apenas sentir enorme compaixão por ainda estarmos nessa pequenez, tanto do lado de quem “guia” quanto de quem é “guiado”. Ambas as partes abrem mão de sua Mestria com isso.






Conheci o blog MM em maio de 2012. Meu processo de “alinhamento” foi bastante duro nesta época. Nunca consegui participar ativamente no blog, apenas observava. Descobrir onde estava aquela gente toda que vivia o mesmo que eu - ah, vocês tão aí? eu pensava -  e o contato com as bombásticas revelações do Autres Dimensions foi sem dúvida uma grande explosão interior que complementava ao que intimamente eu já vivia. Por outro lado, parecia um pouco o pré vestibular da salvação todo aquele movimento ali, mas beleza. Achava divertido o jeito escrachado daquele que conduzia o blog e com certeza dei muitas risadas com ele, mesmo “fudida” de dor em uma cama. 

O blog foi então fechado no começo de 2013 e achei esquisita a atitude do blogueiro em apropriar-se do material e decidir de maneira autoritária que dali pra frente ninguém mais teria acesso às mensagens por ali, pois era o que ele julgava ser melhor para todos. E aqueles que o continuaram fazendo por meio de outros blogs eram duramente criticados por ele.

No mesmo ano, eu vivia em estado de total desespero, sufocada por uma complexa teia de experiências traumáticas as quais eu mesma me meti e vi na figura do Anthonio a única luz no fim do túnel. E acredito que seja neste estado que muitos chegam nele e o seguem. Quando o MM acabou, eu o acompanhava como podia nos trabalhos seguintes.

Até que um dia respondi um questionário do novo site dele, "Reversão Humana", cujo tema era algo para saber se eu era “invertida”. Em seguida, ele me respondeu por email, na época como Consultor de Reversão Humana, analisando o que respondi. A partir desta resposta, resolvi contratar o serviço dele. No site "Reversão Humana" nesta época tinha um espaço privado com uma coluna de números de 1 a 30. Cada número, segundo ele, era de uma pessoa que estava sob seu acompanhamento. Acho que o meu era 24. Então, com uma senha, eu tinha acesso a este espaço, que continha assuntos dos quais falávamos nas consultas que se davam por áudio via Skype. O valor da consulta era R$ 40,00 e eu depositei previamente o valor correspondente a várias delas, em duas oportunidades, em uma conta da Thais. O tempo da sessão era de 50 minutos, se não me engano, mas geralmente ultrapassava. Sempre fui bem atendida, considerando todas limitações que um trabalho desse tem, porém continuava na merda. Ele deixava claro que estaria a minha disposição em caráter vitalício. Na época ele estava se mudando para Piúma e com pouca internet. Então foi dado continuidade através de e-mails. Eu colocava minhas observações e aflições sobre minha ‘reversão’ e ele respondia. Até que, acho que ele foi enchendo o saco desse trabalho de consultorias e paramos.

Houve depois um encontro de “sementes” em Piúma o qual eu fui gentilmente convidada e cheguei a comprar a passagem mas cancelei por estar realmente muito mal.

No final de junho de 2014 eu conheci então a minha atual esposa e posso dizer que somente a partir dali comecei a me refazer. Apenas vivendo com simplicidade cada momento e deixando que tudo se fizesse naturalmente, em um árduo e belo passo a passo. No entanto, ainda acompanhava as publicações do bendito Anthonio no Facebook. 

Não posso negar que me chamava muito atenção o que ele postava, é como se fosse um espaço pra saber dos babados cósmicos. Percebo hoje, que ele se diverte jogando dados, datas ou previsões de acontecimentos para ver o circo pegar fogo. Porém, acredito que blefe muitas vezes.  E pode ser uma brincadeira de mal gosto com quem tá sofrendo. É como se seu público alvo fosse aquele formigueiro que ele conta que gostava de cutucar e observar na sua infância. Tudo para talvez aplacar o tédio ou uma certa impaciência, sentimento o qual entendo perfeitamente.


Depois vieram os vídeos os quais também vi muitos, mas não assistia inteiros por considerar um tanto longos e repetitivos. Achava fantástico os assuntos abordados no livro a lançar “320.000 anos” e sinceramente esperei muito por ele, embora hoje essa carga enorme de informações já não importe pra mim.

Raramente ainda o chamava no Messenger para algum desabafo. Mesmo que ríspido algumas vezes, ele sempre me atendeu. Surgiu então um grupo fechado da "Reversão" no Facebook e fui prontamente incluída nele. 

Bem, comecei a achar muito esquisito esse lance de um grupo fechado de acompanhamento para “escolhidos”. Rolava uma submissão da galera nos comentários, pedindo muito para ser incluída, para que ele lhes dessem uma chance e esse tipo de coisa. Anthonio observava o que a pessoa dizia nos comentários e também dava uma olhadinha no perfil da mesma no Facebook e dali mandava o veredicto, entra ou não entra. Ou seja, tá safo ou tá fudido, kkkk! 

Também percebi um incansável trabalho de moderação dos comentários, tudo o que questionasse ou colocasse outros pontos de vista ao que se dava ali era prontamente apagado. Achava muito engraçado e imagino que bastante trabalhoso esse serviço. Mas ok, talvez algumas coisas sejam realmente desnecessárias em qualquer espaço. Por isso, se reparar lá nos comentários é “Apreendendo” pra todo lado. Alguma semelhança com “Amém”?

Eu que já vinha bastante focada e determinada no meu processo, me vi sendo pressionada pela minha própria vibração a cair fora dessa. Não tinha mais saco para assistir o que se passava ali toda hora na minha timeline do face. Foi então que logo no comecinho do grupo, em 13 de novembro de 2015, eu enviei uma mensagem para ele no Messenger exatamente assim (tenho print) :
- Oi! Valeu o convite mas to saindo do grupo de reversão tá... Chegou a hora de voar sozinha (enviei desenho de uma estrela e outro daquela mão do face com um coração).
Ele respondeu:
- “Quando alguém conseguir voar sem asas, me chama pra assistir este show. Você está, em verdade, fugindo de si. Mas tudo bem, vou ficar na minha e te peço desculpas por sempre lembrar de você. Eu respeito a sua escolha”.

Uauuuuu! Grave hein? Mas deixo para que cada um conclua o que viu ali. Mesmo que antes eu tivesse dividido com ele os piores cenários ( e aí entra minha total responsabilidade por me expor tanto), ele subestimou um outro Trabalho invisível e avassalador que se dá em tudo atualmente. Respirei fundo e bastante confiante na minha decisão, me calei. Segui no meu caminho firme. E foi maravilhoso. Parece que a Vida tenta nos agradecer de várias maneiras quando tomamos atitudes de confiança como estas.

Porém, sair disso é um verdadeiro desmame, o mesmo que passei com rivotril e bebida alcoólica. Mesmo fora do grupo, acompanhava ainda alguns vídeos. 

Alguns meses depois, já em 2016, vi que ele queria trazer o seu curso para a minha cidade, Florianópolis. Temos aqui, uma estrutura de pousada e uma casa em lugar tranquilo, que acreditei ser uma opção bacana para o que ele precisava. Depois de um breve período vendo se valia a pena, muitos sinais me apontavam que eu deveria passar por cima de algumas coisas e viver o que me era dado a viver. Ficou na verdade escancarado pra mim. Além do mais, vi mesmo como um dever oferecer o que pudesse na cidade onde moro, em favor de algo que, até então, era uma causa importante.  

O chamei no Messenger de novo e passei a bola pra ele. Nossa conversa foi sempre amigável e super direta, focada no nosso objetivo. Me chamou a atenção a brincadeira dele de, em um de nossos breves diálogos ali, chamar os inscritos no curso de “meus invertidinhos”. 

Mas enfim, tudo começou a fluir de maneira perfeita para que o curso ocorresse aqui no quintal de casa. E foi o que aconteceu. Ele me convidou para fazer o curso gratuitamente, se eu quisesse. Eu agradeci e disse que não participaria de maneira integral, mas que iria conforme disponibilidade. Eu não tinha interesse no curso em si, já passei muiiiito tempo plantada em salas de aula, mas achei fantástico poder pela primeira vez interagir pessoalmente com as “chaminhas” que este evento traria aqui. Vibrei muito com cada reserva que recebia dos participantes que ficaram alojados na pousada. Ficava organizando a casa com as cadeiras do curso e imaginando, muito contente, aquele pequeno exército ali.





Como Anthonio e Thais tinham decidido se mudar de Piúma, cheguei a, ingenuamente, imaginá-los morando na casa na frente da minha a qual ficaram hospedados e foi ministrado o curso. Até dividi a idéia com eles. Me coloquei à disposição para ajudá-los no que fosse necessário por aqui. Fui buscá-los na rodoviária, meu coração vibrava de alegria, de ter esse pessoal o qual vivemos momentos incríveis em 2012, estarem na minha frente. Algo mágico, sem dúvida. O curso aconteceu dias 2,3 e 4 de setembro de 2016. Anthonio, Thais e outras pessoas do grupo que os acompanham ficaram hospedados na casa de 29/8/16 a 6/9/16. 

No começo em puro entusiasmo, levei-os ao supermercado, caminhamos na praia juntos, dividimos algumas poucas refeições na minha casa e na deles. Conversamos muito na primeira noite, eu eufórica contando um pouco das minhas histórias. Enfrentei uma resistência gigante de minha companheira em relação a estas novas companhias. Mesmo assim não deixei de aproveitar a grande oportunidade que tive. Em cada papo ou interação,  tudo ia ficando cada vez mais transparente pra mim. Algo me dizia que era muito importante estar ali e passar pelo o que eu estava passando. O mesmo senti em relação ao curso. Eu pensei, caramba, esse negócio não veio parar aqui por nada. Eu precisava estar ali para enxergar e sentir tudo de perto. 

Durante o curso eu me dividia entre assistir a “aula” e outros afazeres. Lembro que algumas vezes bem cansada ia até o jardim atrás de casa, ficava quietinha, respirava fundo em um delicioso silêncio e canto dos pássaros. Voltava para a "aula' e estavam todos lá, falando de prisão e tretas. Senti também um sono sobrenatural nestes dias, como se algo me derrubasse na cama mesmo. 

Em nossas conversas antes do período do curso, Anthonio insistia em me chamar para participar do grupo de reversão no Facebook. Eu disse não, definitivamente. Ele riu. Naquele momento mostrei o print daquela conversa a ele. Talvez ele não lembrasse. Se atrapalhou um pouco e vendo que eu estava meio brava me pediu para “trocar de olhar”. 

Em outra conversa também pedi a ele para que reabrisse o MM, pois foi algo que senti forte em um momento de recolhimento,  e deixasse aquelas ricas mensagens à disposição de todos - principalmente aos que estão chegando, devido ao seu incrível potencial vibratório. Perguntei porque ele não contava que tirava o conteúdo do “seu” trabalho dali, do Autres Dimensions. Ele então disse que aquelas mensagens não cabiam mais, que agora tá tudo “mastigadinho” no trabalho dele e um blá blá blá que nem lembro. 

Thais estava sempre conosco nessas conversas, concordando incondicionalmente com Anthonio. Eu até disse a ele, brincando, na presença dela: 

- Essa moça concorda com tudo que o que tu falas hein? 

E ele disse sorrindo a ela: 

-“Continue assim Thais”.






Sobre o curso, caramba, é muito legal a vibração dos "alunos". Mas isso, pela reunião em si dessas consciências que acordam. Porém, ao meu ver, o resultado dessa interação se obteria até em um happy hour, um reencontro informal dessa galera. A melhor parte para mim era o intervalo, como alguns notaram hehehe! ( lanço um convite no final do texto ;)

Não precisamos mais nos aprofundar em assuntos que não nos liberam e apenas nos fazem focar no terror, no medo, nas sacanagens do passado. Ou mesmo em tanto julgamento. Se é vegetariano, se é terapeuta , se tem bicho de estimação, se usa facebook, se tem uma horta atrás de casa. Cara, melhor soltar essa amargura toda, tamo parecendo véia resmungona. Digo nós, porque já fui assim. 







A Luz está mais potente do que nunca, é só deixá-la agir com o mínimo de interferência possível a não ser algumas atitudes práticas em momentos específicos que nossa próprio Centro nos impõe, para que tudo continue à galope. A gente ajuda não atrapalhando.




É só ficar quietinho e ouví-lo, relacionar-se com ele. Proporcionar-se momentos de solidão, usando, se quiser, a Natureza como ferramenta ultra potente. E chega! Está tudo consumado. Não precisamos mais de regras, mantras, pilares, lendas, mitos. Quem tem saco pra isso ainda? Toda a transformação que importa em nossa consciência está se dando naturalmente nos dias atuais.




Precisamos é de mais pé no chão, banho de mar, ar fresco, nascer do sol. Ouvir  música alta. Andar de bicicleta. Fazer as pazes com a ilusão mesmo, como já disse Maria. Comunhão com o mais puro de nós. Um tempinho para a vacuidade e silêncio. Esquecer as estratégias e confiar que o mais importante não somos nós que fazemos. CONFIAR MUITO! O resto é nóia. Inútil. Um tiro no pé.




E se sentirmos um ímpeto para ler algo vamos diretamente à fonte onde podemos nos banhar em água pura e fresca e não há qualquer necessidade de interpretação ou trabalho em cima. Refiro-me aos milhares de textos do Autres Dimensions disponíveis em rápida pesquisa no Google para todo e qualquer terráqueo, o qual é, sem dúvida, ali chegando, levado pela Inteligência a ler exatamente o que lhe cabe.






Anthonio não tem poderes especiais, não opera milagres, não salva, não liberta, não tem uma voz que cura ou uma vibração estonteante ( desculpa bonitão ;).  Não domina nem de longe os segredos do universo.  Tudo mito, crença. E quem ainda precisa delas? 






É sim, um estudioso e apaixonado pelo assunto, que escreve bem e tem alto poder de persuasão. Tão limitado quanto nós, embora frequentemente coloque-se em posição privilegiada usando em muito do que fala um “vocês” e não “nós”. Mas, infelizmente, acúmulo de conhecimento não é sinônimo de liberdade, pelo contrário. E ele sabe disso. 






Revertido pra mim só o “liberado vivente”, o resto "tamo aí todo mundo na peleia da transição" kkk!!! mesmo assim… que saco isso, somos chamas ardentes e eternas …e vivemos tempos extraordinários que não suportam mais qualquer tipo de cabresto, predação, hierarquia ou rótulos. 



Anthonio, my sweet:

Silêncio é um porto seguro não é, então porque você fala mais que o homem da cobra?

Porque evocar tanto os pobres répteis e não deixá-los ir de uma vez pra constelação da putaqueopariu para onde foram enviados ?

Porque incitar recorrente preocupação com uma recriação da matrix se você é "livre" e está em "Unidade", estado onde não há a menor preocupação em relação a isso ?

Outro dia me deparei, nunca por acaso, com um 'coach' falando sobre como chamar a atenção de um público alvo, persuadir seguidores e/ou vender um produto. Sabe qual a técnica mais certeira que é utilizada baseada em estudos do cérebro humano? Usar o medo e a escassez para que sua mensagem seja ouvida ou seu produto vendido, para o que o mentor considera o "bem" da pessoa.

Ontem mesmo conversando com minha mãe, que está super religiosa, foi mais  um exemplo que a religião usa esse mesmo padrão, pois era recorrente ela falar  sobre o tal "inimigo" que o padre falou. 

Ouso dizer que o que vi no curso muitas vezes era um cara entediado de estar repetindo tantas vezes a mesma coisa. Eu estaria. Ele sabe que isso não ter nada haver com o que simplesmente É. E que não tem como entrar em Unidade "na marra", como ele às vezes brinca.  

E sinto compaixão por ter se distanciado tanto de algo que almeja ardentemente. Mas quanto a isso, não basta querer. Se escrever tantos textos, livros, produzir podcasts, vídeos, o levasse para o seu fim, ótimo. Mas é exatamente o contrário, essa visão fantasiosa de auto importância para com todos que o seguem, isso sim é uma grande fuga de si mesmo e fortalecimento de um personagem. 


Pra ele chegar nele mesmo, o único caminho seria largar isso tudo! Oh yeahh! Por mais dolorido que seja. Quanto maior a dor do obstáculo maior o gozo da vitória. E fique tranquilo, sentimos total gratidão até aqui, mas ficaremos bem sem o seu “trabalho”. Se precisava de alguém pra te tirar este peso eis-me aqui my little child ;)






Mas o que para ele realmente importa, só ele pode saber e tá tudo certo :)  Ser um comandante cheio de honras, compromissos, homenagens e sérios princípios a defender? Ou ser o menor soldado de todos, leve, solto e anônimo por aí?




Foram embora, ele e o pessoal da camisetinha, com um clima meio indigesto daqui. Vendo de perto, a casa caiu de vez pra mim e jamais conseguirei colocar em palavras as sutilezas que percebi. Mesmo assim, agradeci muito e disse por WhatsApp à Thais que tudo havia sido perfeito. E acho isso mesmo!

Minha gratidão ao personagem Anthonio Magalhães, por me mostrar um pouco mais de mim, já que ele sou eu em reflexo e eu o entendo. O quão idiota somos em apostarmos fora, em expormos nossos sentimentos mais íntimos , em buscarmos incessantemente atalhos ou fórmulas a seguir. E repetindo isso a milênios! Tudo uma grande AUTO emboscada. 

Em nenhum momento ele foi atrás de mim. Eu o procurei, eu enchi o saco dele com minhas incertezas e desconfortos emocionais. E se ele tá cobrando pelos seus cursos e livros, tá perfeito. Paga quem quer. Se submete pra implorar acesso à 'nave da salvação' quem quer também. 

Não há o que culpar ou buscar nele ou em qualquer outro ser encarnado sobre este mundo e sim olharmos pra nós mesmos de maneira definitiva e assumir que o passo-a-passo é nosso, é único, é intransferível…e aquele blá blá blá que todo mundo já sabe. 




Permitam-me simplificar dizendo que esse nosso processo é como fazer cocô. Ninguém pode fazer por você e muito menos te dizer como fazer, concorda?  Você apenas vai soltando,  por que não tem alternativa, e vai aliviando.  

Anthonio, se você me ler, desculpe essa sua ex-fã ardorosa e irmã de outras galáxias ( o último adjetivo foi ocê que deu um dia ;). Estamos juntos nessa embora talvez você não perceba neste momento .  Caso fique irritado, te digo, como você já disse centenas de vezes pra muita gente: apenas “troque de olhar e aproveite a sua persona lhe sendo entregue de bandeja”… neste fabuloso circo que se encerra. 

Transparência é também enxergar além do lado pessoal, além dos véus das pequenas histórias. 



Ontem recebi uma mensagem por WhatsApp da Thais, dizendo que meu nome está na lista das pessoas que serão entregues à polícia, por ter compartilhado um vídeo de direito de resposta do caro aviador João, o qual ainda não tive oportunidade de conversar. Achei tão engraçado sô! Imagina nóis lá na delegacia João, encostados na parede, com as mãozinhas pra cima sendo revistados, e depois tendo que falar de assuntos dessa "catigoria" lá! A gente roubando tempo dos moços da lei com isso, afff. É cada mico que se paga na Terra, mas beleza... 






Minha participação sob os holofotes estelares encerra-se aqui respeitável público (caraaaca, isso parece um TCC de faculdade).  Este foi apenas um depoimento muito verdadeiro e simples. Observando os últimos voluntários que conseguiram enxergar e tiveram coragem de se expressar, como Tereza, Flávio, João e que foram prontamente abafados e ameaçados em suas tentativas, não tive como me omitir mais.

Não entendi ainda esse lance de abafar as vozes, em tempos de mídias sociais e de nossa própria liberação.  Imagina se o Lula ou a Dilma fossem processar ou calar todo mundo que critica o trabalho deles? E se o Facebook fosse expulsar o Anthonio, toda vez que ele xinga essa rede social? Ou ainda, se um diretor de teatro se sentisse ameaçado toda vez que um crítico lança um comentário perturbador sobre a sua produção? 

Aqui também é assim, tudo cinema não é mesmo? Aí está a liberdade e a beleza da coisa. O que for puro e íntegro se estabelece sem qualquer combate. E já que estamos nessa, vamos realizar o show mais limpo e transparente que pudermos! Sorte daquele que baixar a guarda e ouvir todas as vozes!








Mas, porque essa função toda em importunar o pobre do Anthonio e seu “Trabalho”? Isso realmente importa?  

Ali no fim, talvez não importe nadinha. Vai dar até pra rir. Porém, right now, nada permanece oculto nestes tempos da Terra e isso tem relação direta com o que a NOSSA EQUIPE veio fazer neste mundo. 

Cada consciência arrebanhada dentro de uma perigosa caixinha muito bem disfarçada de liberdade e autonomia é uma chama infinita ainda sendo dominada e cerceada. Isso chama-se predação!




Imagino que haverá consequências mexendo em um vespeiro destes. Cruzes!    Só Jesus na causa! Essa história poderá ser também manipulada ou mal interpretada...mas é o que tem pra hoje. Tá aí. Alguns me conheceram no curso. Não devo nada a ninguém, estou limpa. Que faça bom uso desse depoimento aquele que preza por sua alegria mais genuína que é o maior marcador de liberdade. E que a Luz atravesse tudo isso lindamente ;)


Tudo o que acontecer vai aparecer. 

Confio no que me EMPURROU até aqui.






*****


Esta publicação já ultrapassou as 1.700 vizualizações (25/1/17)





























7 comentários:

  1. Minha querida. Eu estava lá contigo, observando. Pena que eu não podia nem expor meus pensamentos, pois a "horda invertida" já dizia que eu estava pedalando no meu mental. Levei uma semana para me recuperar da energia ruim daquele encontro em Floripa. Eu também fugi para o teu jardim para me recarregar. Mas eu tinha que manter a fachada, pois sabia que um dos nossos irmãos das estrelas se perdeu numa power trip. Estava com uma vontade interna de abrir o jogo sobre o autresdimensions. Foi quase. Cheguei a perguntar sobre que eram os seres espirituais dos quais ele falava. Mas fiquei na minha, pois não queria me meter no trabalho do AM. Sabe, sou adepta de deixar cada um quebrar a cara por si. Faz parte do crescimento pessoal. Alguns dos participantes tinham uma vibração boa. Outros não. Gostei de ti logo de cara. E da Thaís, mas pelo visto me enganei sobre ela.

    Eu até tinha esquecido tudo sobre o AM, até que vi através de uma amiga o mal que ele faz quando ele exclui alguém arbitrariamente. Para mim, esse é o único lado do AM que eu considero do mal. O resto é a viagem de cada um. Todos temos o livre arbítrio de entregar ou não o nosso poder pessoal a outro.

    Não acho correto combater o AM e o seu trabalho. Vivemos num mundo livre. Sim somos livres. Só quem nos aprisiona é a nossa falta de consciência. O que devemos fazer é deixar na internet e com fácil acesso depoimentos como o seu, ou o meu, para que os que seguem o AM o sigam bem informados.

    Fique na luz
    Abraços cósmicos

    Usha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações Usha! Obrigada pelo depoimento... tá tudo certo, TRANSPARÊNCIA, só isso. Para que a partir dali a consciência viva o que ela quiser né , beijão! Be Bel

      Excluir
    2. Permita-me só uma pequena reflexão: Livre arbítrio não existe no universo e nos mundos livres, pois, quando se vive o amor não existem escolhas, apenas o existir no amor e dentro dele não há possibilidade de se fazer algo que não seja amor saca? Não há escolha. O livre arbítrio é parte da prisão, assim como o karma e a reencarnação. Agradeço ao depoimento de vocês Berenice e Usha.

      Excluir
  2. Ola Berenice, tudo bom, sou Ronaldo de salvador, fiz o curso ai em Floripa. Eu fui excluído do grupo no mesmo dia que a Ushua, simplesmente por ter entrado em contato com uma pessoa que falou Autres Dimensions, não comentei nada, não ataquei ninguém, não procurei outro membro do grupo para influenciar, contudo, não tenho nada contra a RH, ninguém me enganou,ninguém me convidou para fazer o curso nem para consumir o material, se eu fui "vítima" de alguém, fui de mim mesmo.
    Através do RH e de todo esse barulho eu pude conhecer o Autres Dimensions, (Youtube)Arauto dos Intervenientes, Dogmas Parei, Helio Couto, canal do Nelson Jonas e outros trabalhos, vejo tudo, não julgo nada vou consumindo e adquirindo autonomia após a saída do grupo, então pude constatar que foi mais um caminho necessário a ser percorrido e que o trabalho de RH colabora com a Luz sendo um primeiro passo, um facilitador para leigos como eu que nunca tinha tido contato com esse tipo de conteúdo, mas chega uma hora que é preciso se libertar de toda muleta e de todo mestre. Tudo é crença, a verdade só vamos conhecer quando chegar o instante final e isso mestre algum poderá nos livrar ou nos ensinar, no fim de tudo cada um responde por si e nada mais.
    Gostei muito de ter estado ai em sua pousada e conhecido vc, sua companheira, a equipe do RH e as demais pessoas. Foi muito legal, se rolar esse happy hour me avisa, sem agredir, sem coagir, sem expor ninguém vamos rir muito.
    Apenas a verdade interessa, sem críticas, sem julgamentos, apenas o amor a paz e a verdade que somos de toda eternidade.
    Forte abraço para vc e todos os demais irmãos deste imenso universo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ronaldo!!! Massa ! É isso aí! Concordo contigo que essa história toda vai no fim ajudar a levar o AD pra muito mais gente sim e isso é maravilhoso! Seria bacana se tivessem revelado a fonte desde o início do trabalho, mas já que não rolou a gente dá uma ajudinha rsrs...quando rolar a página te aviso sim. Me add no face, Be Bel , beijos !

      Excluir
  3. Boa tarde!Havia escrito um comentário, mas como notei um erro não percebido na visualização, tive que excluir.
    Gostaria de saber em quais sites brasileiros posso encontrar as mensagens e os protocolos de Autres Dimensions?
    Desde já agradeço a ajuda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi André, como vai? Tem vários blogs, gosto desse : http://mensagensdeamor.brluz.net/mensagem-direcionada-para-novos-html
      Um grande abraço;)

      Excluir